Selecione seu país

COVID-19COVID-19

COVID-19: informações para mulheres grávidas e pais

A propagação do coronavírus é o acontecimento mundial do momento. De repente, fomos confrontados com um clima de incerteza, dúvida e, certamente, preocupação, que está a influenciar o nosso dia a dia. Na MAM, temos consciência de que as diversas medidas relevantes que têm vindo a ser implementadas a nível mundial para atenuar a pandemia de Covid-19 estão a colocar várias famílias em situações complicadas. Por isso, queremos assegurar aos pais e aos seus bebés que, nestes tempos difíceis, a coesão, a confiança e a segurança são o cerne do nosso trabalho.

Gravidez e coronavírus

Segundo a OMS, de momento nada aponta para que a COVID-19 possa assumir uma maior gravidade durante a gravidez. No entanto, e devido às alterações imunológicas que ocorrem durante a gravidez, não podemos excluir a eventualidade de as grávidas serem mais suscetíveis a um contágio.
Deve também evitar-se um contágio dado o desconhecimento relativamente a consequências a longo prazo (por exemplo, danos nos pulmões)

 

Até à data, e segundo a OMS, não existem ainda dados suficientes para excluir a possibilidade de uma transmissão para o feto, in utero. Contudo, não foram até agora encontrados quaisquer vírus no leite materno, no sangue do cordão umbilical nem no líquido amniótico de mães infetadas.

 

A OMS e o CDC recomendam que as grávidas respeitem as precauções gerais:

  • Lave regularmente as mãos durante, pelo menos, 30 segundos com um antisséptico para as mãos, à base de álcool, ou com água e sabão.
  • Mantenha o distanciamento social e evite espaços sobrelotados, bem como transportes públicos.
  • Toque o menos possível na face, particularmente nos olhos, no nariz e na boca.
  • Ao tossir ou ao espirrar, tape a boca e o nariz com a dobra do cotovelo ou utilize um lenço de papel. Deite o lenço de papel usado imediatamente no lixo.
  • Limpe e desinfete diariamente superfícies tocadas com frequência.
  • Em caso de contacto com outras pessoas, use uma máscara, por exemplo, ao realizar compras no supermercado.

No caso de febre, tosse e/ou dificuldades respiratórias, ligue para a linha de assistência do coronavírus e siga as suas instruções antes de procurar ajuda médica.

Ligue sempre à sua própria parteira, diretamente para o hospital ou aos serviços de socorro e pergunte o que fazer. Se o/a ginecologista estiver disponível, também o/a poderá contactar via telefone.

 

Se não tiver recebido quaisquer instruções prévias, também neste caso deverá ligar à sua própria parteira, diretamente para o hospital ou aos serviços de socorro.

Se sentir o seu bebé regularmente, se não ocorrerem hemorragias fortes, se o saco amniótico estiver intacto e se se sentir segura em casa, pode ainda passar algum tempo em casa, antes de se colocar a caminho do hospital.

 

Amamentação e coronavírus

Se o seu estado de saúde o permitir (por exemplo, apenas uma evolução suave) e nada houver a opor em termos médicos, é possível, segundo a OMS, continuar a amamentar mesmo se estiver infetada com a COVID-19. Certifique-se de que lava minuciosamente as mãos antes e depois de amamentar e de que tapa a boca e o nariz com uma máscara durante a amamentação.

No entanto, volte a conversar com o seu/a sua médico(a) acerca do modo de procedimento correto.

Sim. Contudo, e de acordo com os conhecimentos atuais, a infeção não ocorre através do leite materno. Tal como qualquer outra pessoa, o bebé pode ser contagiado através da projeção de gotículas da mãe. Isso também se aplica, no entanto, se o bebé for alimentado por biberão. As gotículas atingem o bebé devido à proximidade física em caso de tosse, espirro e, eventualmente, da respiração. Daí que a OMS e o CDC recomendem o uso de máscara durante a alimentação, bem como a lavagem minuciosa das mãos antes e depois da mesma.

 

O risco de contágio pode ser reduzido através do uso de uma máscara. Além disso, a OMS recomenda a lavagem minuciosa das mãos antes e após o contacto com o bebé, bem como a limpeza e desinfeção regulares de superfícies tocadas com frequência.

Dado que o contacto entre a mãe e o filho é muito próximo durante todo o dia e não é possível usar permanentemente uma máscara, o sucesso desta estratégia é questionável. A melhor opção será conversar com o seu/a sua médico(a) acerca do procedimento correto.

Embora, até à data, seja ainda incerto se a COVID-19 pode ser transmitida ao bebé através do leite materno, segundo o CDC e a Academy of Breastfeeding Medicine os estudos até agora realizados não permitiram comprovar a presença de QUAISQUER coronavírus no leite materno.

 

 

Dado que, nos poucos estudos existentes, não foi possível comprovar a presença de quaisquer coronavírus no leite materno (cf. CDC, Academy of Breastfeeding Medicine), pode seguir as recomendações gerais para a conservação do leite materno:

 

Visão geral: Conservar o leite materno

à temperatura ambiente

4 horas

no frigorífico (0-4 °C)

até 3 dias

congelador (-20 °C)

3 meses

Bebés e coronavírus

Segundo a Unicef e o CDC, as crianças não parecem estar sujeitas a um maior risco de contraírem a COVID-19. Uma vez que os dados disponíveis são ainda reduzidos, não é, no entanto, possível afirmar com segurança que consequências a COVID-19 produz em bebés e crianças. Contudo, e até à data, poucos foram os casos reportados em crianças.

Estão sujeitas a um maior risco de uma evolução grave da doença as crianças (assim como os adultos) que apresentem problemas pulmonares e imunodeficiência devido a outras patologias.

A OMS recomenda que os pais se protejam o melhor possível ao cuidarem do seu bebé. Antes do contacto direto com o bebé, deve lavar e desinfetar as mãos. Durante a amamentação e/ou a alimentação com biberão, a mãe/o pai deve usar sempre uma máscara de proteção respiratória.

É essencial contactar um médico/pediatra para que ele possa confirmar ou excluir uma possível infeção. Segundo a KidsHealth®, os dados conhecidos apontam para que o coronavírus apresente uma evolução mais suave em bebés e crianças pequenas do que nos adultos. Ainda assim, deve consultar-se um médico.

De acordo com os conhecimentos atuais, e segundo a ScienceDirect, os vírus permanecem até 9 dias em superfícies lisas à temperatura ambiente. Em média, vivem 4-5 dias. No entanto, o frio ou condições de temperatura húmidas podem prolongar o tempo de sobrevivência.

Os coronavírus podem ser eliminados através da limpeza e desinfeção minuciosas.

O coronavírus é mais contagioso do que outros agentes patogénicos, por isso recomenda-se seguramente a adoção de práticas mais higiénicas no que se refere a chupetas, biberões, etc. É muito simples efetuar uma esterilização antes de cada utilização: alguns biberões, como o MAM Easy-Start Anti ColicTM, dispõem de uma função de esterilização integrada, e todas as chupetas MAM podem ser esterilizadas de forma muito prática num micro-ondas, dentro do próprio recipiente. O método não só é rápido, como consome menos energia do que a fervura. Além disso, no micro-ondas, é muito provável que, para além das bactérias, também a ação dos coronavírus seja neutralizada ou, pelo menos, reduzida.

A mãe ou o pai deve ainda lavar minuciosamente as mãos antes e após a esterilização, bem como utilizar agente desinfetante. Adicionalmente, o uso de uma máscara ajuda a evitar uma possível transmissão de coronavírus para chupetas, biberões, etc., durante a esterilização.

Segurança na MAM


A nossa maior prioridade é sempre, e especialmente neste momento, garantir a segurança dos bebés e dos pais. A nossa produção reforçou as já rigorosas medidas de segurança e implementou medidas adicionais de higiene no que respeita ao fabrico dos produtos MAM. Essas medidas incluem, entre outros, avaliações médicas diárias dos/as colaboradores/as, regulamentos rígidos relativamente à entrada nos edifícios da fábrica, e uma desinfeção ainda mais frequente das máquinas e dos balneários.

Durante a crise atual da COVID-19, recomendamos a definição de normas mais rigorosas que o habitual relativamente a produtos de bebé. É aconselhável a esterilização de biberões, tetinas e chupetas antes de cada utilização. A melhor forma de esterilizar os nossos produtos é com o micro-ondas, através da função de autoesterilização do biberão MAM Easy StartTM Anti-Colic e da prática caixa esterilizadora das nossas chupetas. Este é um processo rápido e que utiliza muito menos energia em comparação com a fervura. Seguir este processo não só mata as bactérias, como também é bastante provável que reduza ou mate vírus como a COVID-19.

Todas as informações sobre a limpeza dos produtos MAM podem ser encontradas na seção de FAQ em www.mambaby.com.

Loja online MAM


De momento, é possível aceder à nossa loja online como habitualmente. Enquanto muitos dos nossos colegas dos escritórios estão a trabalhar de casa, os colaboradores do armazém continuam a deslocar-se para trabalhar, de forma a assegurar o envio de encomendas. Para garantir a sua segurança, também reforçámos os regulamentos de higiene dos pavilhões de expedição. .

Serviço de apoio ao cliente MAM


O nosso serviço de apoio ao cliente continua a funcionar como de costume, mantendo-se disponível para responder a dúvidas e questões através do endereço mamshop(at)mambaby.com. Fazemos o nosso melhor por garantir que respondemos o mais rapidamente possível a todas as questões. Apresentamos, desde já, as nossas desculpas se, devido a situações excecionais, demorarmos mais do que o previsto, e agradecemos a sua compreensão.

Mantenha-se em segurança e proteja a sua saúde!


Neste momento complicado, desejamos a todas as famílias muita força, confiança e, acima de tudo, muito amor. Estamos confiantes de que vamos conseguir ultrapassar estes tempos difíceis — uns com os outros e uns pelos outros. Em conjunto.

X